Quero engravidar e não consigo: 5 principais causas da infertilidade feminina

RECEBA NOSSOS PRÓXIMOS
CONTEÚDOS EXCLUSIVOS:

    Compartilhe este post

    Share on facebook
    Share on twitter
    Share on linkedin
    Share on whatsapp

    Estima-se que 15% dos casais em idade fértil apresentam problemas para engravidar e, em grande parte dos casos, a infertilidade feminina é o motivo. Na maioria das vezes a infertilidade é temporária ou pode ser tratada e, ao sanar a causa da infertilidade, a mulher pode desenvolver uma gestação tendo o acompanhamento de uma clínica de reprodução assistida.

    Para que você entenda melhor este assunto, desenvolvemos o artigo de hoje com as 5 principais causas da infertilidade feminina e formas de tratá-las para que consiga ter uma gestação. Acompanhe a leitura conosco!

    5 Principais causas da infertilidade feminina

    Antes de conhecer as principais causas de infertilidade feminina, vamos entender melhor essa condição e como ela é diagnosticada entre as mulheres. De forma geral, a infertilidade é a dificuldade de conceber ou levar uma gestação a termo. Ou seja, casais que apresentam dificuldades na fecundação natural e implantação do embrião e também aqueles que passam por perdas gestacionais recorrentes.

    Dessa forma, existem 2 tipos de infertilidade: primária, quando não houve uma gestação anterior, e secundária, quando a mulher já passou por uma gravidez previamente. É importante ressaltar  o fato de que se a mulher já tem outros filhos não garante que ela seja fértil para uma próxima gestação.

    1. Endometriose

    A endometriose é uma condição em que o endométrio, parede que reveste o interior do útero, cresce em outras áreas do corpo. Durante todos os meses, as células do endométrio aumentam, tornando o útero espesso e adequado para receber um óvulo fecundado.

    Quando a gravidez não ocorre, as células descamam e são expelidas na menstruação. Ao sofrer com a endometriose, algumas células do endométrio acabam surgindo em outros locais fora do útero e podem se espalhar pelos ovários, cavidade abdominal e outros órgãos do corpo da mulher, provocando dores e sangramento e causando infertilidade feminina. A inflamação causada pela presença das células endometriais em locais inadequados pode diminuir a qualidade dos óvulos e a receptividade do endométrio para implantação. Além disso, com o passar do tempo, surgem cicatrizes entre os orgãos inflamados que podem alterar a função das trompas uterinas dificultando assim a concepção natural.

    2. Idade avançada

    A idade da mulher é um dos primeiros fatores de prognóstico da infertilidade feminina. Isso acontece, pois, a quantidade e qualidade dos óvulos diminuem com o passar dos anos, reduzindo as chances de uma gestação natural.

    Os óvulos são desenvolvidos quando a mulher ainda está no útero da mãe. Em um feto do sexo feminino, são formados em média 20 milhões de óvulos que, após o nascimento, reduzem a quantidade em 75% desse valor.

    No início da menstruação, a mulher começa a perder óvulos todos os meses, tendo entre 20 e 30 anos o ápice de sua vida fértil. Durante este período, apenas 3,5% das mulheres sofrem com a infertilidade feminina.
    Contudo, a partir dos 35 anos, a fertilidade tem uma redução drástica, com apenas 10% das reservas iniciais de óvulos disponíveis, elevando a taxa de infertilidade feminina a 11%. Aos 40 anos, a mulher tem 2,5% de óvulos disponíveis, e a infertilidade pode chegar a 87%.

    3. Miomas

    Miomas são tumores sólidos e benignos que se formam a partir de tecido muscular. A infertilidade feminina causada pelo surgimento de miomas no útero ocorre quando o mioma afeta o interior da cavidade uterina, chamado mioma submucoso, ou quando se encontra dentro da musculatura do útero, chamado de intramural, porém com abaulamento e compressão da cavidade uterina onde o embrião se implanta. Nestes casos a cirurgia para retirada dos miomas é necessária e pode restaurar a fertilidade natural.

    4. Infecções

    Infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) como clamídia, e a doença inflamatória pélvica (DIP), que pode ser transmitida sexualmente ou por contato com objetos contaminados, também podem causar a infertilidade feminina quando não tratadas pois afetam a função das trompas uterinas, que são fundamentais para que a concepção natural ocorra.

    5. Síndrome do Ovário Policístico

    A síndrome do Ovário Policístico afeta cerca de 7% das mulheres em idade reprodutiva. Essa doença, caracterizada por alterações hormonais que levam ao aparecimento de cistos nos ovários. O ciclo menstrual costuma ser alterado devido às alterações na ovulação que ocorrem nesta síndrome , causando a infertilidade feminina.

    Tratamentos para infertilidade feminina

    Após conhecer as 5 principais causas de infertilidade feminina, é o momento de conferir como estas condições podem ser resolvidas, por meio de tratamentos que sejam capazes de solucionar os distúrbios envolvidos.

    Fertilização in Vitro (FIV)

    A fertilização in vitro é uma forma de tratamento indicada para a infertilidade feminina e masculina. Este procedimento é recomendado para mulheres com idade mais avançada, endometriose e alterações na função das trompas uterinas. Além disso, casais que já tentaram outros métodos e não obtiveram sucesso podem conseguir engravidar com esta técnica.

    O procedimento envolve a fecundação dos óvulos e espermatozóides fora do corpo da mulher, sendo a fecundação realizada in vitro e, após o procedimento, o embrião formado é inserido no útero para o desenvolvimento da gestação.

    Inseminação intrauterina

    A inseminação intrauterina é indicada na infertilidade feminina causada por casos de endometriose leve e distúrbios de ovulação que podem estar presentes na sindrome dos ovários policísticos. O tratamento envolve a inserção dos espermatozóides por meio de um cateter inserido pelo colo uterino no momento da ovulação.

    Indução da ovulação para coito programado

    A indução da ovulação é uma técnica em que a ovulação é induzida por meio de medicamentos hormonais. Dessa forma, os medicamentos atuam no ovário estimulando-os a produzir mais óvulos que poderão ser fecundados durante uma relação sexual programada. O momento da ovulação é detectado por meio de ultrassom transvaginal seriado.

    Histeroscopia cirúrgica

    A histeroscopia consiste em um procedimento cirúrgico realizado para tratar uma alteração intra uterina que pode ser a responsável pela infertilidade feminina. Nele, retira-se o corpo estranho que poderia estar impedindo a gestação de acontecer, na maioria das vezes um mioma ou pólipo.

    Videolaparoscopia ginecológica

    A videolaparoscopia ginecológica é um procedimento recomendado para casos como endometriose, cisto ovariano, mioma uterino e outras patologias que exigem procedimentos cirúrgicos para a correção do sistema reprodutor da mulher. Esta cirurgia pode corrigir a fertilidade e possibilitar uma gravidez natural ou auxiliar melhora dos resultados de um tratamento de reprodução assistida.

    Você pôde perceber que são muitas as causas de infertilidade feminina. No entanto, também existem diversos tratamentos capazes de reverter o quadro, tornando possível que o casal realize o sonho da gestação. Ao primeiro sinal de infertilidade, busque um especialista para obter um diagnóstico preciso e iniciar o tratamento mais adequado para você.

    Gostou deste conteúdo? Então, veja também como funciona o congelamento de óvulos!

    Para ler

    Em seguida